NOSSA HISTÓRIA

A Endeleza foi fundada no dia 02 de junho de 2012, por um grupo de jovens, então universitários, que acreditam que a educação, o empoderamento e a sustentabilidade são os meios mais eficazes para promover o verdadeiro desenvolvimento de uma comunidade.  

 

Nossa história, no entanto, começa um ano antes, no distrito de Buuri, região central do Quênia, mais especificamente nas proximidades da cidade de Meru.  

2011

Nossos primeiros passos foram dados em 2011 quando, a convite da associação francesa Les Amis de Kaithé, um de nossos fundadores foi trabalhar como voluntário durante um mês e meio em um projeto de educação complementar para crianças da comunidade de Kaithé.

Nessa primeira visita à região, encontramos uma população local formada basicamente por agricultores de subsistência, que nos cativaram com seu otimismo e forma única de enfrentarem seus problemas.

Observamos que devido à seca, falta de saneamento básico, fome e doenças (como AIDS e malária), muitas crianças negligenciavam desde cedo os seus estudos para trabalhar ou até mesmo para procurar alimento nas épocas de seca. Vimos que as escolas primárias – de baixa qualidade – não conseguem ser mantidas pelo governo em condições aceitáveis: faltam professores, salas de aula, alimentação apropriada e incentivo familiar.

Os alunos que, apesar das adversidades, conseguem concluir seu estudo primário são avaliados no exame nacional chamado Kenya Certificate of Primary Education (KCPE) e através da nota obtida serão convidados, ou não, a ingressarem no ensino secundário. No entanto, mesmo os alunos qualificados a continuar com seus estudos enfrentam um outro obstáculo: a falta de condição financeira.

Lá, vimos centenas de jovens sendo excluídos anualmente do ciclo acadêmico pela impossibilidade de arcar com os custos das suas taxas escolares. As escolas secundárias não são gratuitas no país, mesmo as públicas, o que acaba limitando o acesso à educação a alguns poucos privilegiados e desperdiça o potencial de milhares de crianças anualmente.

2012

Em janeiro de 2012 as irmãs Doreen e Eunice começaram seus estudos na Escola Secundária de Ruiri Girls, somente para meninas. Lá as garotas passaram a ter acesso a uma educação de qualidade em uma escola interna, onde tinham uma alimentação adequada e um ambiente saudável para se desenvolverem. Tudo isso por apenas R$ 70,00 mensais (valores de 2012).

Pelo valor praticado e principalmente pelo grande impacto que poderia ser gerado com este pequeno investimento percebemos que poderíamos dar a mais jovens a mesma oportunidade que estávamos dando às gêmeas.

No Brasil, mais especificamente na cidade de Curitiba, reunimos um grupo de jovens universitários interessados em fazer a diferença através da educação. Neste encontro, foi fundada a Endeleza, com o objetivo inicial de possibilitar que mais jovens tivessem acesso à educação secundária, independentemente de sua situação financeira.

A INSPIRAÇÃO

Doreen e Eunice são gêmeas que se encontravam naquela situação. Apesar de seu potencial comprovado com a obtenção de boas notas em seus exames, as duas meninas não teriam condições de seguir para o ensino secundário devido à falta de recursos. As irmãs foram criadas pela avó, que não possuía renda suficiente para bancar o estudo das duas, e seus pais haviam morrido de malária quando ambas eram muito pequenas.

Quando tomamos conhecimento desta história, nos sentimos tocados pela batalha dessas meninas e decidimos arcar com os custos educacionais das duas alunas. Assim, nascia o que viria a ser o nosso Programa de Apadrinhamento.

2013

Foi no ano de 2013 que iniciamos, finalmente, de maneira oficial nossas atividades.
Com o apoio inicial de 30 padrinhos que acreditaram em nossa ideia, apadrinhamos com sucesso 30 adolescentes quenianos.
Através de uma parceria estabelecida com três escolas internas no Quênia, possibilitamos que 15 meninas e 15 meninos pudessem seguir seus sonhos de se tornarem médicos, advogados, professores ou engenheiros.

Além disso, nosso programa contava com uma aproximação entre os alunos e seus apoiadores: fizemos questão que todos os padrinhos trocassem cartas com seus apadrinhados, além de receber seus boletins, para possibilitar o acompanhamento de seu desempenho acadêmico e permitir que eles se conhecessem melhor.

2014

Em 2014, com o apoio de novos padrinhos, aumentamos o número de beneficiados para 46 alunos.

Com o lançamento da iniciativa Rafiki Endeleza (forma carinhosa de  chamar nossos apoiadores, já que Rafiki significa  amigo em swahili, língua do Quênia) pudemos aproximar mais pessoas a nossa causa, além de garantir fundos que nos possibilitavam expandir nossas atividades.

O ano de 2014 representou um marco para nossa história, pois foi a primeira vez que grande parte da equipe pode visitar o paíse as escolas beneficiadas durante uma viagem de um mês pelo Quênia.

A troca de experiências e o contato com a população local foi renovadora para o nosso espírito. Foi possível identificar potenciais melhorias em nossos programas e aprender ainda mais sobre a cultura queniana.

Bruna-6-(238)

2015

A Endeleza completou 3 anos de vida e para comemorar esta nova fase criamos também novos projetos: passamos a custear aalimentação de centenas de estudantes da Escola Primária de Mugae. Durante este ano passamos a contar com a ajuda de mais de 120 Rafikis, que garantiram um total de 82,280 refeições e beneficiaram 256 crianças!

120 RAFIKIS    >    82,280 REFEIÇÕES    >    256 CRIANÇAS

A Endeleza cresceu muito rápido em 2015 e foi um ano de muito aprendizado e conquistas. Neste ano nos aproximamos mais da comunidade e dos envolvidos com a escola em Mugae, semeando o que viria a ser uma parceria a longo prazo com muitos frutos!

Bruna-8-(334)
G0301450

2016

Este foi o ano que multiplicou nossa estrutura interna e o nosso impacto.
Atingimos mais de 300 alunos beneficiados!

E para que essa evolução não parasse, foi necessário fazer alguns ajustes em nosso trabalho: ampliamos nossa equipe, mudamos a identidade visual e melhoramos nossos programas, possibilitando que os investimentos fossem destinados a outras áreas extremamente importantes para a educação e o desenvolvimento das comunidades que atendemos.

Assumimos a gestão do centro de estudos do Les Amis de Kaithé (lembra deles? Lá de 2011!) e o transformamos em Centro de Desenvolvimento Endeleza (CDE).

Neste programa passamos a receber 75 crianças todos os sábados para atividades extracurriculares (esportes, literatura, jogos de memória e raciocínio lógico); demos continuidade com o projeto de costura envolvendo as mulheres da região; assumimos a manutenção de um poço artesiano que distribui água potável para toda a comunidade e continuamos mantendo uma plantação em um pequeno terreno dentro do CDE para gerar renda extra.

O trabalho aumentou, então tivemos que recrutar mais ajudantes! No início desse ano abrimos as portas para muitos voluntários que nos ajudaram em diversos dos nossos setores.

Passamos também  a promover alguns eventos na cidade da nossa sede, Curitiba,  para aumentar nossa arrecadação e visibilidade.

Nesse ano também ganhamos uma nova integrantemuito importante, que morou 6 meses lá no Quênia gerenciando nossos projetos e criando ainda mais laços com a comunidade.

Snapchat-6579066407110126378
20160615_135058

Foi em 2016 também que finalmente registramos a Endeleza Kenya, organização registrada no Quênia que é filiada a Endeleza International aqui no Brasil.

Os membros da diretoria da Endeleza no Quênia são:

Annabella Karimi Mbugi – Presidente.
Professora, graduada em Educação, Mestre em Liderança e Gestão em Educação, Diretora da Escola Secundária de Ruiri e Presidente da Agricultural Society of Kenya (ASK).

José Lucas Truite Seleme – Secretário e Diretor Executivo (CEO).
Empreendedor social, graduado em Relações Internacionais, pós-graduado em Gestão do Terceiro Setor, Empreendedorismo e Negócios Sociais e Gestão de Marketing. Co-fundador e Presidente da Endeleza International.

Zakayo Muriuki Mbogori – Tesoureiro. 
Contador, graduado em Comércio, Mestre em Administração e Mestre em Liderança. Chief Finance Officer (CFO) do Ministério de Minas.

Thomas Kiriinya Raiji – Conselheiro.
Assistente social, graduado em Assistência Social, Mestre em Planejamento e Gerenciamento de Projetos, PhD em Agricultura e Desenvolvimento Rural. Experiência de mais de 25 anos com ONGs e projetos sociais.

Lucy Mutinda Kithome – Conselheira.
Advogada, graduada em Direito.

Laban Kirimi Kirigia – Conselheiro.
Empresário internacional, graduado em Economia pela London School of Economics.

2017

Este ano é um dos mais importantes na nossa história. Lançamos o programa Escola Primária Sustentável, em Mugae, que segue o modelo Endelevu. Este programa consiste em investir em uma atividade produtiva dentro do terreno da Escola Primária de Mugae para gerar renda e garantir a sustentabilidade de todos os nossos projetos, além de permitir melhorias e a manutenção de novas iniciativas.

Identificamos a necessidade de sermos autossustentáveis financeiramente ao mesmo tempo que enxergamos a urgência de trabalharmos com projetos menos assistencialistas para que a mudança na comunidade realmente tivesse frutos duradouros.

Mugae_chinelos-14

E esse é só o começo. Saiba como fazer parte da nossa história também!